19 Aug 2017, 3:24 am

CD Review: Viletale – From the Depths ov Mind


Viletale – From the Depths ov Mind


por Clovis Roman

O Viletale é um grupo novo, oriundo de Santa Catarina e que chega ao seu segundo registro, esta demo/EP intitulada From the Depths ov Mind, que chegou as nossas mãos pela assessoria de imprensa Roadie Metal. Após uma introdução curiosa mas pouco efetiva, “Shattered Existance” surge abrindo espaço de maneira inesperada, já que a abertura sugeria algo mais brando. A produção magra deu uma apagada no brilho, mas nada que impeça a audição.

Mas o disco realmente começa com “Reign upon Ulthar”, um Death Metal bacana com bons arranjos de guitarra e partes mais lentonas bem legais – sem contar que o vocalista Bruno Jankauskas (ou seria o backing Alan Ricardo?) baixa o espírito de Dani Filth em determinada passagem, aumentando a sensação de desgraça. “Chant of the Mountain” impressiona por ter diversas passagens caóticas e pouco usuais, e ainda há espaço a uma citação ao Carcass (ao menos imagino que tenha sido proposital).

O interessante nesse trabalho, no que tange a questão musical, é que todas as faixas estão em torno de uma forma extrema de se fazer Metal, mas cada uma dela tem peculiaridades que as diferenciam. Basta ouvir os elementos a la “Chuck Schuldiner” em “Tentacle God” (não a toa, há uma versão de “Evil Dead” na demo anterior dos caras), a sexta e penúltima canção – nada similar havia surgido até então. O título sugere Cthulhu e realmente é sobre o personagem de H.P. Lovecraft, assim como todo o álbum, temático. E algo que remete a Dechristianize, do Vital Remains, serve de introdução para a saideira e grandiosa “Arise, O Guardian”.

A banda é formada – apesar dessa informação não constar no encarte – por Filipe Oliveira (baixista que já tocou no Reggrety, que está nas páginas da edição #13 do Fanzine Mosh), Matheus Lunge (baterista), Bruno Jankauskas (guitarrista e vocalista) e Alan Ricardo (guitarrista e backing). Este trabalho é o segundo do Viletale, e mostra uma grande evolução em relação a primeira demo, Initiation, que saiu ano passado – 2016 foi também o ano de fundação do grupo.

O Viletale apresenta um trabalho coeso, que peca apenas pela gravação apenas mediana. As composições, dentro do possível, tentam trazer sonoridades variadas, o que dá vida ao conjunto da obra. A abordagem lírica também é interessante e conta pontos.

MÚSICAS
1. Innsmouth
2. Shattered Existance
3. Reign Upon Ulthar
4. Chant Of The Mountain
5. O Espasmo e a Sabedoria
6. Tentacle God
7. Arise, O Guardian

News · Reviews

Postado em julho 6th, 2017 @ 17:14 | 134 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»