25 Apr 2017, 8:12 pm

Entrevista: Vintage Caravan


Vintage Caravan aposta no som do passado

vintage720

O Vintage Caravan é uma banda nova em processo de ascensão meteórica. Tendo suas origens na pacata cidade de Álftanes, Islândia, Óskar Logi Ágústsson, Alexander Örn Númason e Stefán Ari Stefánsson formam um dos power trios mais criativos da atualidade.  Com seu álbum mais recente, Arrival (2015), lançado pelo selo alemão Nuclear Blast, a banda tem se apresentado em festivais renomados como o Wacken Open Air e feitos extensas turnês ao redor do mundo. Desta vez, nós aqui no Brasil teremos a oportunidade de testemunhar o nascimento de uma das bandas que mais se inspira no rock psicodélico e no rock clássico dos anos 60 e 70 na atualidade, trazendo um ar de novidade para a nossa já desgastada cena rock n roll. Conversamos com o vocalista e guitarrista da banda, o carismático Óskar, que nos contou sobre sua expectativa em relação aos shows no Brasil e o futuro do rock! Confira!

Entrevista por Marcos Franke

Vintage Caravan é uma banda da Islândia. Como é a cena do rock em seu país e onde vocês se apresentaram como uma banda “grande” pela primeira vez por lá?
A cena é muito boa e eu recomendo bandas como Churchhouse, Creepers, Lucy in Blue, Brain Police e Skálmöld. Temos uma cena muito boa de Black Metal também. Nosso festival favorito lá é o Eistnaflug Festival. Eu não diria que somos uma banda grande de forma alguma (risos). Minha cidade natal na Islândia tem um indicie populacional de 3000 pessoas.

Vocês estão vindo ao Brasil para alguns shows. Quando vocês imaginaram que viriam para a América do Sul?
Eu não imaginei (risos). Muito surreal isto tudo e agradecido pela oportunidade.

Quais são suas expectativas para esta turnê?
Eu espero pessoas divertidas, calor, boa comida, um grande público e o mais importante de tudo – poder me divertir com as pessoas.

Como o Vintage Caravan é uma banda cravada nas raízes do classic rock, incluindo todas as tendências dos anos 60 e 70 como o rock progressivo, heavy metal e rock psicodélico, como vocês se encaixam no rock do século 21? Há um segredo em ser antiquado, mas ao mesmo tempo moderno?
A gente se encaixa muito bem penso eu. Pessoas sempre vão gostar de música que tem muita paixão. É o que a gente faz 110% do tempo. Na verdade não existe um segredo, mas sim não fechar sua mente para inspirações e tocar com toda a força. Principalmente não soar como uma banda congelada nos anos 70 e apenas reaquecida em 2016 (risos).

Suas inspirações são bandas como Led Zeppelin, Deep Purple, Rush, Cream e até Mastodon. Como vocês conseguem compor músicas tendo como inspiração tantas bandas com estilos tão diferentes?
A gente pega de tudo que a gente ouve um pouco. Seja jazz, pop, pop dos anos 80, rock ou até techno. Nunca é bom ter apenas uma fonte de inspiração.

O vintage rock está ficando moderno novamente e bandas excelentes estão surgindo como Blues Pills por exemplo. O que você acha, o antigo rock voltou a ser o novo rock? Como vocês vêem o futuro do rock hoje em dia?
Acredito que de certa forma você tem razão e eu espero que continue progredindo. Eu acho que há sempre espaço para a boa música e esta onda retrô vai ir embora e algo novo vai substituir ela. Eu não tenho medo disto, já que encaixamos em tantos gêneros. Podemos tocar em festivais de jazz, pop, blues e até metal/stoner. Eu espero que o rock volte a ser grande como já foi, o que acho improvável.

Recentemente, Vintage Caravan mudou-se para a Dinamarca. Como foi a adaptação para um novo país? Isto tem influenciado a sua música?
Nós moramos lá em 2014 e 2015 e hoje moramos na Bélgica. Não vejo problema algum já que é sempre legal viver algo novo. Isto não influenciou nossa música, mas nós nos aproximamos ainda mais como pessoas e algumas músicas podem ter saído melhores por causa disto. Quem sabe sem esta experiência as músicas teriam saído diferentes? Não sabemos dizer.

Vocês lançaram um álbum ano passado chamado Arrival e é o terceiro álbum que vocês lançam. Conte-me um pouco sobre este álbum. Foi difícil compor músicas para ele?
Foi um processo bem longo que foi iniciado em 2012, logo depois do álbum Voyage e gravamos até Janeiro de 2015. Escrevemos muitas das letras em estúdio. Nosso single Crazy Horses foi completamente composto em estúdio. Foi a primeira vez que escrevi uma música com Alex, o baixista. Foi muito divertido. Foi um álbum que tivemos que fazer nós mesmos, explorando o peso e o progressivo.

Quando vocês compuseram este trabalho, vocês tiveram algum receio ou medo de não atingirem o sucesso que a música Expand Your Mind fez no You Tube e deu a vocês um contrato com o selo alemão Nuclear Blast? Conte-me como é ser um músico em um mercado tão competitivo.
Não temos medo de nada já que música é para se divertir e fazer algo que você tenha orgulho de ter feito. Não temos medo de nada.

Vintage Caravan é uma banda com dez anos de existência. Qual é o futuro da banda hoje?
Fazer turnê o resto do ano, compor um novo álbum, voltar a fazer turnê e é claro me divertir no processo.

Se você pudesse recomendar algo para as bandas novas, o que você recomendaria para elas se tornarem tão bem sucedidas quanto o Vintage Caravan?
Tocar muito ao vivo. O máximo que você puder. Sempre diga sim pra isto, pois é a melhor prática para uma banda. Pessoas amam uma banda boa ao vivo. Nunca tome laxantes antes dos shows e pratique conversar com as pessoas quando você está no palco, olhe-as nos olhos. Faz uma diferença incrível. E por final, mas não menos importante, não seja um cuzão.

Muito obrigado pela entrevista e deixe uma mensagem para as pessoas que irão aos shows da banda na América do Sul e no Brasil.
Obrigado pela entrevista! Não vejo a hora de ver vocês todos e tocar para vocês! Vamos enlouquecer!

 

Interview · News

Postado em setembro 27th, 2016 @ 16:16 | 366 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»