10 May 2021, 7:49 pm

Mosh Interview com Lucas da Goblin TV


O mineiro Lucas é um pouco de tudo: produtor, empreendedor, sonhador, músico e ativista cultural. Para sobreviver, fotografa e filma. Ou seja, a arte de registrar momentos é o seu ganha-pão. Com a devastadora chegada da pandemia – que se agravou com o negacionismo governamental -, o entrevistado da vez teve um impacto em sua concorrida agenda de trabalhos profissionais, algo que possibilitou que ele pudesse se dedicar um pouco mais para o seu projeto GOBLIN TV. Falaremos disso e outras coisas nas linhas abaixo. Boa leitura!

por Fellipe CDC

(Fellipe CDC – Fanzine Mosh) Lucas, quero começar agradecendo pela oportunidade de poder entrevistá-lo para o Fanzine MOSH. Obrigado mesmo! De tantos estilos musicais existentes no mundo, como você conheceu, escolheu e se identificou com o heavy metal?

(Lucas – Goblin TV) Salve Felipe e todos do Fanzine Mosh!!! Tudo bem?? Cara eu que agradeço pelo convite e a honra de estar aqui nas páginas desse tão respeitado e antigo veiculo do underground!! Felipe o meu lance com a música e o rock começou lá atrás ainda na minha infância, ouvia muito rádio lá em casa Raul Seixas, Tim Maia e outros artistas da época, daí vieram os programas de Rock na TV e no rádio e a partir desse momento fui conhecendo progressivamente os estilos musicais e o Heavy metal do Metallica, Iron, Anthrax através dos programas. Ahh e também nos álbuns de figurinhas autocolantes de Rock, skate e afins…

FM – Você me revelou que não conhecia nada do metal nacional e esse feitiço foi quebrado com um disco da grande Chakal. Conte um pouco dessa curiosa história sem esquecer-se de mencionar o ano da ocorrência.

Lucas – Quando eu tinha lá os meus 12 / 13 anos em 1989, eu já conhecia um pouco do heavy e Thrash mainstream nessa época eu passei a juntar uns trocados para comprar um toca disco e claro meus LPS, um dia meu padrasto me levou no centro da cidade e acabei descobrindo uma loja de discos (Não, não era a cogumelo) era a Música Rara passamos nela e eu encontrei um disco do Chakal (Abominable…), Meu padrasto me presenteou e ai fui embora feliz da vida com esse álbum debaixo do braço. Dai pra cá ferrou tudo!! Pirei na sonoridade bruta do Death, Thrash Metal e logo na sequência eu tive a experiência de ir no primeiro show  que por coincidência aconteceu num ginásio em frente minha casa , o show era Evilhammer, Insulter (BH) Attomica ( SP)  e Genocídio (SP) foi uma experiência incrível para um moleque de 13 anos, naquele momento eu descobri qual era a sonoridade que queria acompanhar por toda vida!!

FM – A fotografia é uma arte e ela se tornou o seu meio de sobrevivência. Como esse universo fotográfico entrou em sua vida e de que maneira você descreveria a importância dessa profissão para o mundo?

Lucas – Cara, gostar de fotografia eu sempre gostei desde muito cedo, quando era criança eu descobri nas gavetas lá de casa uma Kodak Instamatic, minha mãe me deixou fazer umas três fotos e depois eu tive um vizinho de apartamento que tinha um estúdio de revelação fotográfica dentro de um dos quartos e algumas vezes eu o vi fazer a revelação química e aquilo foi mágico, ver as imagens tomarem forma, foi apaixonante!

Agora falando sobre a importância do registro fotográfico eu nem preciso explanar muito sobre a importância e tal, basta qualquer um de nós percebermos nossas reações ao ver uma foto da nossa infância, ou mesmo aquela foto antiga e rara da banda de rock que você é fã! O registro fotográfico e documental seja ele em vídeo ou foto é muito importante para nossas histórias e para o mundo!

FM – O quão o fato de ser fotógrafo o ajuda no trabalho de filmagens, já que também exerce esse ofício artístico?

Lucas – O lance de já ter tido anteriormente uma vasta experiência em fotografia, antes de me tornar um Film maker ajuda demais no sentido da composição fotográfica, o entendimento com a Luz, e conhecimento sobre o universo e linguagem das cores. Pois no mercado de vídeo há muitos profissionais que são excelentes operadores de câmeras, mas tem pouco conhecimento em fotografia, direção e isso diferencia o operador de câmera de um Film maker.

FM – Mudando de assunto, fale um pouco sobre suas experiências como músico e se ainda nutre alguma vontade de voltar aos palcos para fazer um som com seus amigos.

Lucas – Cara, a minha experiência como “músico” não foi tão prolifera não! Hehehe. Eu tive projetos musicais nos anos 90 bastante radicais e underground daquele tipo que nem show faziam, rsrsrs! Já nos anos 2000 eu toquei no Funeral Christ banda de Black Metal de BH – MG naquele o período nós, não gravamos nada oficial somente algumas demos ensaio, mas éramos uma banda de verdade com ensaios sérios, e também fizemos vários e importantes shows na cena! Essa banda foi o embrião de uma banda hoje chamada Aka Funeral.

FM – Dos shows que já produziu, quais os que recordas com mais carinho (e por quais motivos)?

Lucas – No inicio dos anos 2000 eu tive uma loja de discos com o Clinton que é irmão do Clinger do Heavy Metal On line, na época além de distribuirmos material de bandas underground, nós começamos a produzir shows, o Clinton criou o Underground Brotherhood Fest que destacava bandas da cena mineira e eu também tive a oportunidade de produzir o show de retorno do Chakal em Belo Horizonte em março de 2003, esse show foi histórico! Um show com mais de 1500 pagantes casa do conde lotada, só bandas brutais e underground de excelente qualidade, tocaram: Unholy Flames, Vector Underfate, Funeral Christ e Chakal!  O Chakal fez um show destruidor, e no final me lembro bem do Vladimir  elogiando o publico e me contou que desde os anos 80 nos shows do Ginastico ( BH) não via um publico e uma produção tão animal! Cara aquilo pra mim foi o máximo, ver o cara vocalista da banda que eu comprei meu primeiro LP me falando aquilo, foi pra mim foda! Vladmir e os irmãos do Chakal são grandes camaradas!! Um salve pra eles!!

FM – Você ainda possui loja física ou todo o seu arsenal está disponível apenas no mundo virtual agora? E como pintou essa ideia de montar uma loja para vender materiais musicais mais obscuros?

Lucas – Felipe já faz um bom tempo que eu terminei as atividades da minha loja de disco, em 2005 eu finalizei as atividades. Eu sempre fui um cara de divulgar musicas e bandas e um dos motivos de abrir uma loja de disco era esse, mas no inicio dos anos 2000 com a chegada do mp3 as vendas de cds e afins caíram drasticamente e diante desse cenário a maioria das lojas para se manterem vendiam muito camisetas e acessório praticamente para a galera da nova geração, dai meu sócio Clinton me fez uma oferta na minha parte da sociedade e eu acabei vendendo a loja para ele. Recentemente voltamos a distribuir e comercializar materiais em cd, dentro da nossa loja: https://loja.goblintv.com.br

Mas ainda tá bem no começo, temos materiais de bandas que passaram por lá disponíveis.

FM – Com a proibição (ou restrição) de eventos e produções, em decorrência do surto de Covid pelo mundo, você – como outros profissionais da fotografia – sofreu um duro golpe. Acabou que durante esse período de isolamento social obrigatório e necessário sobrou um tempo para você se dedicar para o canal GOBLIN TV. Tem que como fazer um resumão aí para nós explicando no que consiste a GOBLIN TV?

Lucas – Pois é Felipe a pandemia e o isolamento social e a falta de trabalhos comerciais, me trouxe a oportunidade de criar esse projeto que é a Goblin TV, eu junto ao Pedro Vasseur que sempre está atrás das câmeras somos sócios da Goblin Filmes, uma produtora que atua na área artística produzindo para músicos e artistas em geral, no inicio nós criamos o canal em 2019 a fim de expor e divulgar nossas produções como um portfólio. Mas com a chegada da pandemia acabamos tendo tempo suficiente para criar programas e quadros, daí eu tomei a decisão de manter e ampliar com a criação do portal www.goblintv.com.br agregando novos colaboradores.

FM – Quais os programas oferecidos pela GOBLIN TV e como tem sido a repercussão e a aceitação dessa ideia? (Nota do entrevistador: Acho genial, já adianto!).

Lucas – Felipe, começamos oficialmente a Goblin Tv em 27 de março de 2020 publicando somente, clipes e partes de shows de algumas bandas que tínhamos produzido, porém com o passar de algum tempo foi necessário criar conteúdo e ai pus a cabeça pra funcionar sempre pensando em algo novo ou não tão usual na rede, e foram criados quadros como Tapa na Oreia, Underground History, My Masterpiece, além de entrevistas e o quadro das Garotas do Front que convidamos para trazer ao canal uma abordagem na visão das minas Lorena e Camila.

Nesse período de quase um ano o canal cresceu significativamente, mas ainda continua muito pequeno se comparado a canais com abrangência maior dentro do Rock. Mas isso não importa, o que mais importa é o incentivo dos inscritos que acompanham de verdade fazer os conteúdos com bandas que nos agradam e que nós apoiamos os inscritos interagem entre si nos comentários e nos agradecem pelo trabalho que estamos realizando pela historia da cena musical. Mas não é fácil!! Tudo isso toma um tempo imenso, em pesquisa, contatos, gravação e edição e nós não praticamente nenhum apoio financeiro para tal, fora algumas colaborações de inscritos pelo Pix e pic pay. Mas ainda é bem simbólico!

FM – E sobre a produção de vídeos clipes, como funciona esse processo dentro da sua empresa, se assim podemos chamar. Quantos já foram produzidos e o que mais está por vir?

Lucas – Embora nossa empresa audiovisual tenha apenas uns três anos de existência, o meu background underground me aproximou de músicos e artistas e assim conseguimos produzir alguns vídeo clipes e outras produções musicais, nos últimos três anos produzimos para bandas como: Cadelas Magneticas, Herói do Mal, Agaurez, Jupiterian, Double Cross, Preceptor, Slama!, Mystifier e outras…

FM – Tem também três documentários sendo produzidos para este ano. Você poderia falar um pouco sobre cada um deles e se há o intuito de colocar esses trabalhos para concorrerem em festivais de cinemas ou algo do tipo?

Lucas – Exato Felipe, esse ano teremos pelo menos três documentários a serem lançados, Tem o doc da turnê Europeia da Banda de Grindcore EXPURGO que está no processo final de produção e deverá ser lançado até Março. Tem também o Doc da banda Punk Atack epiléptico que sai até o meio do ano, e o doc da banda Cadelas Magnéticas daqui de BH. Um outro projeto que deverá ser lançado até 2022 é o DOC / filme oficial dos 40 anos da cogumelo records, nós o inscrevemos em um edital da prefeitura e por apenas meio ponto não teve o recurso aprovado mas esse ano devemos realiza-lo com uma campanha de Crowdfunding, ele ainda está no estágio inicial de pré produção, mas em breve anunciaremos e contaremos com todos fãs dessa importante gravadora para realização desse projeto!

FM – Talvez a pergunta mais difícil de toda a entrevista. Por favor, três discos de bandas de metal e três discos de bandas do cenário Hardcore punk. Para não ser tão filho da puta, vou facilitar para você e restringir a sua escolha somente para o universo de bandas brasileiras…

Lucas – Poxa. Felipe essa tarefa ai é da pesada mesmo! Hehehe difícil!! Cara eu nem vou pensar demais, eu vou escolher baseado nos discos que mais ouvi na minha vida, e não necessariamente são os melhores ou mais importantes da cena, mas discos que fizeram parte da minha história Vamos lá!

Punk:
Cólera – Pela paz em todo Mundo!
RDP – Descanse em Paz
Grito Suburbano – coletânea

Metal:
Chakal – Abominable Anno Domini
Psychic Possessor – Toxin Diffusion
Sex trash- Sexual Carnage 

FM – Chegamos ao final. Gostaria de saber, antes de encerrar, se você tem alguma outra carta na manga que possa mostrar ou queira falar alguma coisa que não tenha sido perguntada. Feito isso, é só dar as considerações aos leitores do Fanzine Mosh. Outra vez mais, obrigado.

Lucas – Poxa. Felipe novamente agradeço a você a toda equipe pelo espaço reservado a minha pessoa rsrsrs,  e foi realmente um prazer bater esse papo aqui com você, um abraço forte para todo o público e que continuem a apoiar bandas, zines, canais adquirindo seus materiais e projetos para que em breve, quando voltarem os shows possamos estar ainda mais fortes, Cuidem se todos!! protejam-se !!! E lutemos contra a mediocridade desse governo!

Interview · News · Underground

Postado em fevereiro 20th, 2021 @ 16:16 | 236 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»