20 Nov 2019, 2:46 pm

Grave Digger Realiza Apresentação De Gala Em SP


Clássica banda alemã de heavy metal encantou os bangers em apresentação de duas horas

Banda retornou ao Brasil pela 11º vez e realizou show impecável na cidade de São Paulo.

Texto: Giovani Marcello

Fotos e revisão final: Renato Jacob

Depois de pouco mais de um ano, o combo liderado pelo lendário músico alemão Chris Boltendahl, aterrissou em terras brasileiras pela 11ª vez para uma série de cinco apresentações em quatro capitais e uma cidade do interior paulista. A “Tour Of The Living Dead” iniciou as suas datas no Brasil na cidade do Rio de Janeiro (dia 25/04) e seguiu para Belo Horizonte (26/04), São Paulo (27/04), Limeira (28/04) e encerrou em Brasília (dia 30/04). Com uma ligação sempre muito forte com os fãs brasileiros, a banda costuma aportar no Brasil para alguns shows durante as suas turnês mundiais. Vale lembrar que a apresentação no finado Palace da turnê do álbum “The Last Supper” foi lançada em DVD e CD duplo com o título de “25 To Live” e a participação da plateia paulista ao longo do show é impressionante!

Chris Boltendahl: o carismático e competente vocalista do Grave Digger.
Chris Boltendahl: vocalista e único remanescente original do Grave Digger.

A formação atual da banda conta com o carismático Chris Boltendahl nos vocais, Axel “Ironfinger” Ritt na guitarra, Marcus Kniep na bateria, antigamente tecladista da banda, e Jens Becker no baixo. Esta formação atual é bem diferente do primeiro show que este redator acompanhou do Grave Digger em 1997 no Dama Xoc, em São Paulo. Naqueles tempos, além de Chris (único membro original remanescente do grupo), a banda contava com Uwe Lulis na guitarra, hoje guitarrista do Accept, Tomi Göttlich no baixo e Stefan Arnold na bateria. Stefan deixou o grupo no ano passado em uma separação não muito amigável.

Chegando nos arredores do famigerado Carioca Club, no bairro Pinheiros em São Paulo, o modesto movimento dos fãs nos bares e na frente do local sugeria que a casa não estaria cheia desta vez. A venue abriu pontualmente às 17h30 e os poucos presentes foram adentrando e garantindo os seus lugares na grade ou partiram em direção ao bar da casa.

O frenético guitarrista Axel “Ironfinger” Ritt, um dos grandes destaques da atual formação do Grave Digger.
Jens Becker: precisão, força e peso no baixo do Grave Digger.

Aproximadamente às 18h30 a pista encheu de uma hora para outra e um bom público estava presente para apoiar mais uma vez uma das bandas de metal que mais turnês fizeram em terras tupiniquins. Pontualmente às 19h00 as luzes se apagaram e o mascote “The Reaper” caminhou pelo palco durante a macabra introdução que tocava nos P.A.s da casa.

A banda entrou no palco ao som de “Fear Of The Living Dead”, primeira faixa do mais recente álbum intitulado “The Living Dead”, lançado em setembro do ano passado pela Napalm Records. O Grave Digger executou um setlist extenso que mesclou composições dos álbuns mais recentes (nove músicas eram dos últimos três álbuns da banda) com grandes clássicos do grupo, evidenciando que os alemães não ficam presos ao seu glorioso passado.

Marcus Kniep: o competente baterista do Grave Digger garantiu segurança na “cozinha” da banda ao longo do show. Notem o enorme backdrop atrás reproduzindo a capa do último álbum do Grave Digger.

O show seguiu com mais duas músicas recentes, “Tattooed Rider”, do álbum “Return Of The Reaper” (2014) e “The Clans Will Rise Again”, faixa título do bom álbum homônimo lançado em 2010. A música “Lionheart” do disco “Knight Of The Cross” (1998) foi o primeiro clássico a ser executado na noite e o seu refrão foi cantando a plenos pulmões pela plateia que era regida pelo carismático vocalista de voz caracteristicamente rouca. Aliás, Chris Boltendahl deveria ter um reconhecimento muito maior, pois é um excelente frontman e sabe inflamar o público do metal. A galera correspondeu durante todo o show bangeando, batendo palmas, cantando e vociferando o já tradicional coro “Olê, Olê, Olê, Digger, Digger”.

“Blade Of The Immortal”, outra composição do mais recente lançamento dos alemães, foi executada seguida da empolgante “Lawbreaker”, do álbum “Healed By Metal” (2017), cuja temática é voltada ao motociclismo. Tais músicas mantiveram o pique da galera nas alturas!

O mascote do Grave Digger durante aparição no início do show.
O vocalista Chris Boltendahl em detalhe no início do show do Grave Digger em São Paulo
O excelente guitarrista Axel “Ironfinger” Ritt dividiu as atenções com o vocalista Chris Boltendahl.

Uma dobradinha de “Tunes Of War”, álbum de 1996 e provavelmente o mais conhecido da banda, veio com “The Bruce” e “The Dark Of The Sun”, o que levou os presentes à loucura! No meio destes dois clássicos, Chris apresentou a banda e todos os integrantes foram muito aplaudidos e ovacionados pelo público.

Impossível não ressaltarmos e destacarmos a precisão da “cozinha” com os corretíssimos Jens Becker e Marcus Kniep, além do excelente guitarrista e showman Axel “Ironfinger” Ritt. Com uma presença de palco insana, o ligeiro “Ironfinger” divide as atenções com o chefão Chris.

Mais uma música do excelente disco de 2017, “Healed By Metal”, a composição “Call For War”, mantém a adrenalina em alta, antecedendo uma das prediletas de toda a discografia segundo o próprio vocalista, “The Curse Of Jacques”, épica faixa do álbum “Knghts Of The Cross” de 1998. O público dá um show à parte, cantando o riff inicial da música com direito a filmagem solicitada por Chris ao roadie da banda.

Jens Becker: precisão, força e peso no baixo do Grave Digger.
Grave Digger em São Paulo mais uma vez encantando os fãs do heavy metal!

“War God” e “Season Of The Witch”, dobradinha do “Return Of The Reaper” (2014) e mais uma música do álbum “The Clans Will Rise Again” (2010), “Highland Farewell”, animam ainda mais a plateia e precedem uma tríade que fez o Carioca Club tremer! “Circle Of Witches”, do sensacional disco “Heart Of Darkness” (1995), a majestosa “Excalibur” e “Rebellion (The Clans Are Marching) do álbum “Tunes Of War” (1996), levam o público ao êxtase! Só para vocês terem noção, a plateia cantou o refrão do hino de 1996 três vezes seguidas antes mesmo da música ter iniciado! O mascote “Reaper” fez uma rápida aparição durante o solo de gaita de fole e isso deixou os presentes ainda mais ensandecidos. Muitos aplausos, gritos e a banda faz uma pequena pausa nesse momento.

Na tour pelo Brasil, ao contrário das apresentações que ocorreram em outros países, nós tivemos o privilégio de ouvir quatro músicas no bis. A composição que nasceu clássica, “Healed By Metal”, do álbum homônomo de 2017, possuidora de um refrão que todo headbanger que se preze deve cantar junto; a polêmica “Zombie Dance”, do último álbum de estúdio com suas partes folk metal; e a surpresa que não estava no set europeu, “The Last Supper”, música que nomeia o clássico disco de 2005.

O vocalista e frontman Chris Boltendahl interagiu bastante com os fãs ao longo do show.
O guitarrista Axel “Ironfinger” Ritt incendiando a apresentação do Grave Digger em São Paulo!

Para encerrar a apresentação irretocável dos alemães na cidade de São Paulo, a mais famosa música da banda, “Heavy Metal Breakdown”, do longínquo ano de 1984, fecha duas horas de um verdadeiro espetáculo de heavy metal.

Chris Boltendahl e seus asseclas, não importa quem esteja ao lado desta lenda germânica, sempre nos presenteiam com apresentações antológicas. Inclusive a própria banda fez comentários nas redes sociais enfatizando o quanto o show na cidade de São Paulo havia sido especial. E quem esteve presente nesta noite compreende perfeitamente bem o porquê desta menção. Sem dúvida alguma um dos melhores shows de metal de 2019 até o presente momento.

O evento foi mais uma produção da Overload. Somos imensamente gratos à The Ultimate Music pela confiança em nosso trabalho e credenciamento concedido.  

Chris Boltendahl: muita energia e garra no palco!

SETLIST

Intro
01. Fear Of The Living Dead
02. Tattooed Rider
03. The Clans Will Rise Again
04. Lionheart
05. Blade Of The Immortal
06. Lawbreaker
07. The Bruce
08. The Dark Of The Sun
09. Call For War
10. The Curse Of Jacques
11. War God
12. Season Of The Witch
13. Highland Farewell
14. Circle Of Witches
15. Excalibur
16. Rebellion (The Clans Are Marching)

Bis
17. Healed By Metal
18. Zombie Dance
19. The Last Supper
20. Heavy Metal Breakdown

Confiram abaixo mais algumas imagens inéditas do fotógrafo Renato Jacob desta apresentação irretocável do Grave Digger em São Paulo.

Chris Boltendahl
Axel “Ironfinger” Ritt
Jens Becker
Chris Boltendahl
Chris Boltendahl
Axel “Ironfinger” Ritt
Axel “Ironfinger” Ritt
Jens Becker
Jens Becker
Chris Boltendahl
Chris Boltendahl
Axel “Ironfinger” Ritt
Axel “Ironfinger” Ritt
Jens Becker
Jens Becker
Chris Boltendahl
Grave Digger em São Paulo!
Mosh Live · News

Postado em maio 15th, 2019 @ 12:23 | 282 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»