16 Jun 2019, 10:49 am

Liberation Fest Tour 2018: O Sucesso Se Repete Na Segunda Edição Do Evento


Kreator e Arch Enemy foram as atrações principais do festival

Texto e fotos: Renato Jacob

Repetindo o enorme sucesso da primeira edição que ocorreu em junho de 2017 no Espaço das Américas, ocasião em que o antológico King Diamond foi o headliner do evento, a segunda edição do “Liberation Festival” trouxe mais uma vez nomes importantes para compor o seu cast e se estendeu com êxito para cinco capitais brasileiras, incluindo a cidade de São Paulo, local em que realizamos a cobertura dos shows. O local escolhido na capital paulista para a realização do evento que ocorreu no dia 17/11/18 foi a aconchegante casa de shows Audio, localizada no bairro Barra Funda e com capacidade para cerca de 3000 pessoas.

Mille Petrozza do Kreator no encerramento da segunda edição do Liberation Festival.

Genocídio

A primeira banda a subir no palco foi a paulistana Genocídio. O grupo já possui mais de 30 anos de estrada e teve a honrosa missão de esquentar os ânimos do bom público já presente com o seu death metal tradicional. Em aproximadamente 30 minutos de show, a banda apresentou músicas de seus álbuns mais antigos e do recente “Under Heaven None” e foi muito bem acolhida e aplaudida pelo público, uma vez que realizaram um show bastante empolgante e coeso. Uma pena que o tempo destinado a única banda nacional do evento tenha sido tão curto. A formação atual do grupo conta com Murillo Leite (vocal e guitarra), Rafael Orsi (guitarra), Wanderlei Perna (baixo) e Gil Oliveira (bateria).

Murillo Leite – vocalista e guitarrista do Genocídio
Wanderlei Perna – baixista fundador do Genocídio
Murillo Leite e Rafael Orsi: guitarristas do Genocídio

Excel

 Os norte-americanos do Excel entraram na sequência e não pouparam fôlego para a realização de uma apresentação bastante intensa, como é característica do estilo skatecore/crossover, com os membros da banda pulando de um lado para o outro do palco sem cessar. Assim como os mestres do estilo, o Suicidal Tendencies, o Excel também foi formado na California nos anos 80. O vocalista e fundador da banda Dan Clements é o único membro da formação original que ainda permanece no grupo, entretanto a banda demonstrou ótimo entrosamento no palco e o público, a julgar pelas diversas rodas que foram formadas ao longo do show, foram devidamente envolvidos pelo som dos californianos. No setlist, a banda apresentou basicamente músicas dos dois primeiros álbuns de estúdio, bastante subestimados por sinal, o debut “Split Image” (1987) e o álbum de 1989 intitulado “The Joke’s On You”. Também integram atualmente a banda o guitarrista Alex Barreto, o baixista Shaun Ross e o baterista Greg Saenz.

Dan Clements: vocalista do Excel
Shaun Ross: o inquieto baixista do Excel
Alex Barreto: guitarrista do Excel

Dan Clements: vocalista do Excel

Walls Of Jericho

Os norte-americanos da rock city Detroit que atendem pelo nome de Walls Of Jericho foram os próximos a subirem no palco. O Walls Of Jericho, formada no final dos anos 90, tem um estilo musical definido como metalcore e mesclam elementos do hard core e do thrash metal com o vocal poderoso da vocalista Candace Kucsulain. Na verdade, possivelmente o show do Walls Of Jericho foi o mais enérgico e furioso que eu presenciei em 2018. Muito difícil descrever em palavras a presença de palco absurdamente insana da frontwoman Candace Kucsulain. A vocalista agita intensamente o tempo todo e raramente para mais de alguns segundos no mesmo lugar. Dona de um vocal muito potente, Candace incendiou a plateia da Audio e muitas pessoas que não conheciam a banda ficaram totalmente atônitas com o que presenciavam. O grupo possui cinco álbuns full-lenght de estúdio, incluindo o último lançado em 2016 e intitulado “No One Can Save You From Yourself”. No repertório, a banda exibiu músicas dos álbuns antigos e do trabalho mais recente. No final do espetáculo, Candace e o inquieto baixista Aaron Ruby foram para o meio da plateia para executarem a saideira. Os músicos Chris Rawson e Mike Hasty são os guitarristas da banda e Dustin Schonhofer o baterista. Que banda sensacional para ser prestigiada ao vivo! O público claramente ficou estupefato com a apresentação dos californianos que saíram muito ovacionados do palco.

Candace Kucsulain: a insana frontwoman do Walls Of Jericho
Chris Rawson: guitarrista do Walls Of Jericho

Candace Kucsulain: a insana frontwoman do Walls Of Jericho
A vocalista Candace Kucsulain e o baixista Aaron Ruby encerrando o show no meio do público

Arch Enemy

E agora era a hora dos suecos do Arch Enemy entrarem em ação. Na ativa desde 1996 e com uma discografia de estúdio relativamente extensa, a banda sueca de death metal melódico foi co-headliner do festival e realizou uma apresentação memorável! O grupo foi fundado pelo guitarrista anglo-sueco Michael Amott, bastante conhecido no mundo do rock e do metal, pois também é membro fundador da banda Spiritual Beggars (excelente, por sinal!), além de ser ex-integrante dos grupos Carcass, Candlemass e Carnage. Outro destaque de peso da banda é o baixista Sharlee D’Angelo (ex-King Diamond, ex-Mercyful Fate) e que integra atualmente o Spiritual Beggars e a sensacional The Night Flight Orchestra (que emplacou um dos melhores álbuns de 2018). Complementam o grupo o excelente guitarrista norte-americano Jeff Loomis (ex-Nevermore, ex-Sanctuary) o baterista Daniel Erlandsson e a vocalista Alissa White-Gluz, que desde 2014 substitui a alemã Angela Gossow, hoje manager da banda. Impossível tirar os olhos da bela e carismática Alissa White-Gluz, que além de ter uma performance vocal incrível ao vivo também tem uma presença de palco invejável. Certamente o Arch Enemy foi a banda que mais esbanjou técnica neste festival, pois a qualidade individual de seus músicos é indiscutível e o entrosamento dos mesmos ao vivo é notável! Muitas músicas eram cantadas com euforia do início ao fim por boa parte da plateia e em alguns momentos o barulho era ensurdecedor, o que nos leva a crer que grande parte do público estava na Audio para prestigiar o Arch Enemy. Aproximadamente, metade das músicas do setlist constam nos álbuns “War Eternal” (2014) e “Will To Power” (2017), gravados originalmente com a vocalista Alissa White-Gluz e a outra metade são músicas da fase Angela Gossow, boa parte delas gravadas no álbum “Wages Of Sin” (2001), considerado por muitos um dos melhores álbuns de estúdio do grupo.

A bela vocalista do Arch Enemy Alissa White-Gluz

A bela vocalista do Arch Enemy Alissa White-Gluz
Alissa White-Gluz e o guitarrista Michael Amott
Michael Amott (guitarra) e Sharlee D’Angelo (baixo)
Daniel Erlandsson: baterista do Arch Enemy

Kreator

E, para encerrar a maratona de shows, os alemães do Kreator reencontraram o público paulista após um intervalo de cinco anos. A mais influente e tradicional banda de thrash metal da Alemanha, fundada em meados dos anos 80 pelo guitarrista e vocalista Mille Petrozza, veio com a mesma formação que está mantendo há cerca de dezoito anos: Mille Petrozza no vocal e guitarra, Sami Yli-Sirniö na guitarra, Christian Giesler no baixo e Jürgen “Ventor” Reil na bateria. O setlist do Kreator foi fortemente baseado na fase não clássica da banda, sendo que metade das músicas estão presentes nos dois últimos álbuns de estúdio, os ótimos “Phantom Antichrist” (2012) e “Gods Of Violence” (2017). E foi justamente com a música “Phantom Antichrist” que a banda iniciou o seu massacre sonoro e foi prontamente recepcionada pelos fãs com muita vibração e circle pits que se instauravam pelos quatro cantos da Audio. Ainda na primeira parte do show, após a execução de “Hail To The Hordes”, houve chuva de papel picado e lançamentos de muita fumaça no ar, tudo isso ao som de “Enemy Of God” do álbum homônimo de 2005 e de “Satan Is Real” do último álbum de estúdio da banda. Apenas três músicas da fase mais clássica do Kreator foram tocadas e a primeira foi “People Of The Lie” do excelente “Coma Of Souls” (1990) e “Flag Of Hate” do debut “Endless Pain” (1985), a última gravada em uma fase em que a produção das músicas do grupo era ainda bastante rudimentar. Vale a pena lembrar que todos os álbuns clássicos do Kreator foram remasterizados e ganharam faixas bônus, além de ricos encartes, tanto no formato de CD quanto de LP e o trabalho realizado foi primoroso! Mas voltando ao show… em “Flag Of Hate”, Petrozza fez o seu ritual de empunhar uma bandeira com o nome da música estampada e de lembrar a todos que “é hora de levantar a Flag Of Hate”. O show seguiu em um ritmo frenético com as canções “Phobia”, “Gods Of Violence”, “From Flood Into Fire”, “Hordes Of Chaos” e “Fallen Brother”, todas gravadas entre 1997 e 2017. O áudio da casa estava excelente e a plateia não parava um instante sequer, sempre respondendo positivamente e com muita euforia a cada música que era executada. Para o momento do bis, a banda presenteou os fãs com “Violent Revolution” do excelente álbum homônimo de 2001 e o hino do thrash metal mundial “Pleasure To Kill”, faixa título do álbum homônimo de 1986 que é para alguns o melhor álbum de thrash metal europeu de todos os tempos. Assim como ocorreu na primeira edição do evento, a segunda edição do “Liberation Festival” foi muito bem organizada e com uma escolha inteligente das bandas participantes, pois não visou apenas qualidade, mas também uma ampla gama de diversidade de estilos e foi bastante elogiada pelo público que foi prestigiar o evento. Somos gratos a The Ultimate Music pelo credenciamento concedido e pela confiança em nosso trabalho.      

Mille Petrozza: guitarrista e vocalista do Kreator
Sami Yli-Sirniö: guitarrista do Kreator

Mille Petrozza: guitarrista e vocalista do Kreator
Kreator encerrando a segunda edição do Liberation Festival
Mille Petrozza empunhando a bandeira do “Flag Of Hate”

Setlist – Genocídio

1 – Requiescate In Pace

2 – Under Heaven None

3 – Up Roar

4 – Cloister

5 – Fire Rain

6 – The Grave

7 – Kill Brazil

8 – The Clan

Setlist – Excel

1 – My Thoughts

2 – Wreck Your World

3 – Your Life

4 – Split Image

5 – Insecurity

6 – Never Denied

7 – Shadow Winds

8 – Social Security

9 – Spare The Pain

Setlist – Walls Of Jericho

1 – Relentless

2 – All Hail The Dead

3 – No One Can Save You From Yourself

4 – Forever Militant

5 – A Little Peace Of Me

6 – Playing Soldier Again

7 – I Know Hollywood And You Ain’t It

8 – A Trigger Full Of Promises

9 – Feeding Frenzy

10 – A Day And A Thousand Years

11 – The American Dream

12 – Revival Never Goes Out Of Style

Setlist – Arch Enemy

1 – The World Is Yours

2 – Ravenous

3 – Stolen Life

4 – War Eternal

5 – My Apocalypse

6 – The Race

7 – You Will Know My Name

8 – Blood On Your Hands

9 – Intermezzo Liberté

10 – The Eagle Flies Alone

11 – First Day In Hell

12 – As The Pages Burns

13 – Dead Bury Their Dead

14 – We Will Rise

Setlist – Kreator

1 – Phantom Antichrist

2 – Hail To The Hordes

3 – Enemy Of God

4 – Satan Is Real

5 – Civilization Collapse

6 – People Of The Lie

7 – Flag Of Hate

8 – Phobia

9 – Gods Of Violence

10 – From Flood Into Fire

11 – Hordes Of Chaos

12 – Fallen Brother

Encore

13 – Violent Revolution

14 – Pleasure To Kill

Mosh Live · News

Postado em novembro 27th, 2018 @ 20:31 | 227 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»