27 Sep 2020, 4:56 pm

Show Emocionante Do Angra Em Sorocaba


Angra @ Clube Villa Plaza, Sorocaba – 27.07.2018

Banda encanta fãs durante show da turnê do álbum Omni 

Texto: Henrique Gonçalves
Fotos: Renato Jacob  

Na noite de sexta-feira, 27 de julho, a cidade de Sorocaba (interior paulista) recebeu um dos gigantes do metal nacional, a famosa banda Angra. O grupo que está em atividade desde 1991 e que angaria fãs em praticamente todo o mundo realiza a parte brasileira da turnê de promoção do álbum “Omni”, lançado em fevereiro deste ano. Com uma excelente receptividade da crítica especializada e dos fãs, “Omni” é o nono disco da banda brasileira e o segundo a contar com o vocalista italiano Fabio Lione. Completam o grupo, o seu fundador Rafael Bittencourt (guitarra), Felipe Andreoli (baixo), o prodígio Bruno Valverde (bateria) e Marcelo Barbosa (guitarra), o mais novo integrante (que substitui Kiko Loureiro, agora no Megadeth). A turnê que já passou por diversos países da Europa no primeiro semestre parte para os EUA e Canadá em setembro, chegando ao Japão ainda neste ano. Exatamente uma semana antes deste show na cidade que já recebeu a famosa alcunha de “Manchester Paulista”, o grupo gravou uma especial apresentação realizada em São Paulo no Tom Brasil, com casa cheia e convidados especiais, como Sandy e Família Lima. Em Sorocaba, o clube Villa Plaza foi o local escolhido pelas produtoras TC7 e Live Co., realizadoras do evento. A casa de espaço amplo não lotou, mas os headbangers de Sorocaba e região que compareceram garantiram uma recepção calorosa à banda paulistana. 

A abertura ficou à cargo da experiente banda sorocabana Khris’n’Rocks que esquentou o público com clássicos do rock e do metal e algumas canções próprias. A banda que é formada por Khris (vocal), Débora Noemi (teclado), Louis D’Mattos (baixo), Ulisses Reis (guitarra) e Júlia Baats (bateria), tem um CD gravado (“Acesso Negado”, lançado em 2008) e está na ativa desde 2003. As músicas próprias da banda sorocabana transitam entre o Hard Rock e o Blues Rock, unindo bem melodia e peso. O carisma de Khris e a pegada forte da baterista Júlia foram, certamente, os destaques da apresentação, cujo ponto alto foi a autoral “Máscara de Ferro” e seu belo solo de guitarra. A banda tocou durante quarenta e cinco minutos e foi bastante aplaudida por um público ainda pequeno, naquele momento da noite. 

Um lindo backdrop com um gigantesco logo do grupo e alguns desenhos que remetem à capa do novo trabalho de estúdio fizeram o cenário do palco para a enérgica apresentação do Angra. O público estava já ansioso quando às 22h25, um pouco depois do anunciado, a banda abriu a apresentação com “Newborn Me” do álbum “Secret Garden” (de 2015). O lindo vocal de Lione estava alto e nítido, apesar do grande barulho que fazia o público, acompanhando a letra, entre os gritos e aplausos dos mais animados. É ocioso dizer que todos os integrantes do Angra são músicos excepcionais, mas o que produziram em cima do palco desde esta primeira canção foi algo surreal, esbanjando técnica, entrosamento, mas também muita simpatia. O interlúdio acústico da canção foi magistralmente executado pelo “chefe” Bittencourt.  Sim, Bittencourt é hoje o “chefe” da banda, mas quem comanda o público em cima do palco é Lione, com seu jeito muito particular de erguer o pedestal do microfone e sua comunicação constante com o público, seja com gestos que pedem palmas e gritos, seja com seu fluente português. O italiano é muito carismático e se prova a cada show (e também a cada álbum) uma escolha mais do que perfeita para o posto de frontman do Angra – que já pertenceu um dia a André Matos e, mais recentemente, a Edu Falaschi.  

“Travelers of Time” é a primeira do novo disco a ser executada, e é muito bem recebida pelo público que mostrou durante toda a noite já conhecer bem o novo repertório da banda. A introdução da canção com sua marcante percussão é acompanhada por punhos levados ao alto e os típicos gritos de “hey!hey!” (praticamente uma marca dos fãs de rock e de metal). O baixo do seguro Felipe Andreoli é proeminente na execução da música que enseja também a exibição dos dotes vocais de Bittencourt, muito competente e afinado ao cantar algumas estrofes. A pesada “Angels And Demons” (de “Temples of Shadows de 2004) vem na sequência, com seu marcante solo de guitarra na abertura. Marcelo Barbosa e Rafael Bittencourt interagem bastante entre si, fazendo duelos de solos, com dancinhas ensaiadas e o balanço das guitarras, ora tocando um de frente para o outro, ora tocando com as costas coladas.A galera vibra e aplaude muito ao fim da canção, e mais ainda quando Lione revela “É um prazer tocar aqui em Sorocaba!” O vocalista pede, então, para que todos cantem a próxima canção: “Nothing To Say” do aclamado álbum “Rebirth” (de 2001). Não há quem fique parado na pista, ao som da pegada forte de Bruno Valverde na bateria, um verdadeiro “monstro” no instrumento, destaque nesta canção. As “paradinhas” no meio da música são perfeitas para mais gritos da galera, guiada pelos gestos de Lione.

 

“Insania” do novo disco, com seu poderoso coral logo no início da canção, dá prosseguimento ao show. Lione sobressai-se com uma poderosa interpretação, auxiliado pelos fãs que cantam junto o refrão e depois fazem coro quando Bittencourt sola maravilhosamente. A banda gosta tanto da participação do público que, após o término da canção, Lione e Bittencourt repetem um trecho da música apenas para a galera acompanhar cantarolando. Depois de comandar o “ô-ô-ô” da plateia, Lione é ovacionado. E mais fortes e marcantes corais com a sinfônica e rápida “Running Alone” de “Rebirth”, em outro grande momento para os guitarristas brilharem na hora dos solos. No final da canção, Lione encanta novamente com um poderoso e longo agudo. Antes que a próxima música comece, o italiano hidrata as cordas vocais com um gole de sua taça de vinho, bem discretamente no canto do palco. Em “Caveman”, mais uma de “Omni”, quem se destaca é Andreoli com um marcante solo de baixo. Esta, que é uma das melhores canções do novo álbum, conta com uma percussão bem brasileira e algumas estrofes em português. Lione elogia Bruno Valverde antes do solo do baterista que é breve, mas anima bastante o público.  

Na sequência, temos “Upper Levels” do álbum “Secret Garden”, com Andreoli “destruindo” no baixo e Marcelo Barbosa, definitivamente o mais sorridente da banda, solando de modo esplêndido, enquanto o público agita. Mas o pula-pula dos fãs na pista começa quando “Black Widow’s Web” – aquela que muitos chamam de “a música da Sandy” – é tocada. A canção é, sem dúvida, uma das mais poderosas do novo disco e em sua execução ao vivo, na ausência de Sandy e de Alissa White-Gluz (que também participa da gravação), é Bittencourt quem divide os vocais com Lione. “Spread Your Fire” de “Temple of Shadows” novamente coloca em evidência os guitarristas no momento dos solos, antes de Bitencourt cantar sozinho “The Bottom Of My Soul”, outra marcante canção do último registro em estúdio da banda. Muito aplaudido pela plateia, o guitarrista agradece com humildade, antes que a pesada e veloz “Lisbon”, a única tocada na noite do álbum “Fireworks” (de 1998), seja executada. Talvez os vinte anos deste glorioso disco da banda pudessem ter sido melhor celebrados no setlist. “Magic Mirror”, última a ser tocada do novo trabalho, vem quase emendada no grande clássico citado. A banda, então, se despede da plateia que canta o manjado “Olê, olê, Angra!”. Mas ninguém se entristece, pois todos sabem que há o bis. 

Bittencourt retorna antes dos outros membros e fala longamente com o público, agradecendo aos fãs pela presença e discursando sobre sua felicidade com o grande momento vivido pelo Angra. O carismático guitarrista, hoje único membro original da banda, anuncia os demais integrantes, convidando-os a retornar ao palco, contando um pouco da história da entrada de cada um deles no grupo. Os nomes de todos eles são gritados pelo público que, pouco depois, comemora o anúncio da próxima canção feito por Lione: “Rebirth”, do álbum homônimo. O clássico absoluto é executado com a plateia cantando em uníssono. É momento de grande comoção para muitos fãs e a vibração na pista é a mais alta na noite. Na altura do marcante refrão da canção todos enchem o peito para acompanhar Lione, que novamente dá um espetáculo à parte com sua tocante interpretação. Por fim, a não menos celebrada “Nova Era” fecha o grande show do Angra em Sorocaba. Banda e público agitam muito, e quem está no mezanino pode olhar para baixo e contemplar um “mar” de punhos ao ar dos fãs extasiados na pista. É pouco mais de meia-noite quando os músicos se despedem, presenteando os fãs com palhetas, nitidamente felizes e satisfeitos. É seguro dizer que hoje não há fã do Angra da cidade interiorana que, presente nesta emocionante noite do show, já não esteja agora sonhando com o retorno de seus ídolos.   

Este slideshow necessita de JavaScript.

SETLIST 

ANGRA 
1-Newborn Me
2-Travelers Of Time
3-Angels And Demons
4-Nothing To Say
5-Insania
6-Running Alone
7-Caveman
Solo de Bateria
8-Upper Levels
9-Black Widow’s Web
10-Spread Your Fire
11-The Bottom Of My Soul 
12-Lisbon
13-Magic Mirror
14-Rebirth
15-Nova Era 

KHRIS’N’ROCKS 
1-Dragster/Cannaz (autorais)
2-Train Of Consequences (cover de Megadeth)
3-Bleeding Heart (autoral)
4-(We are)The Road Crew (cover de Motorhead)
5-Highway Star (cover de Deep Purple)
6-Flight Of Icarus (cover de Iron Maiden)
7-Facing The Animal (cover de Yngwie Malmsteen)
8-Máscara de Ferro (autoral)
9-Enter Sandman (cover de Metallica)  

Mosh Live · News

Postado em agosto 8th, 2018 @ 20:20 | 1.210 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»