13 Dec 2017, 5:11 am

Blaze Bayley convence em show anual em Curitiba


Blaze Bayley @ Crossroads, Curitiba – 23.06.2016

Todo ano é uma festa.

Blaze: Todo ano é uma festa.

Texto e fotos: Clovis Roman

Ele carrega o título imaginário de artista que mais faz shows em Curitiba. Afinal, numa quinta-feira, Blaze Bayley fez sua oitava apresentação solo na cidade, sendo que foram sete nos últimos sete anos. A casa, de formato pouco indicado para shows de porte um pouco maior, não lotou, mas recebeu um bom público, empolgadíssimo por poder ver o ex-frontman do Iron Maiden mais uma vez.

E o britânico preparou seu repertório com muito carinho. Afinal, além de alguns sucessos de sua passagem pela Donzela de Ferro – como “Man on the Edge” e “The Clansman” – o cara selecionou a dedo as suas composições solo. Nada menos que seis canções de sua estreia solo, Silicon Messiah, foram apresentadas. Foram todas elas os pontos altos do show: a faixa-título, “Ghost in the Machine”, a veloz “The Brave”, “The Launch” e a esplendorosa “Born as a Stranger” – esta, inclusive, teve um grande coro no refrão, afinal a galera cantou junto com Blaze “You were born, born as a stranger … You were born, born in a different world”. O ápice, entretanto, veio com “Stare at the Sun”, até hoje a melhor música que ele já compôs na vida.

Houve ainda espaço para duas canções novas, que funcionaram bem, e entre outras do Iron Maiden, a espetacular “Virus”, vinda da coletânea “Best of the Beast”. Tocada em um andamento mais lento, a canção ganhou peso e ficou ainda mais apoteótica. De estranho apenas o fato dele cantar duas canções de sua antiga banda que ele sequer gravou: a saturada “Fear of the Dark” e “Wrathchild” (que veio sem ser anunciada e foi esquecida assim que acabou). Não precisava. Se era para relembrar seu passado glorioso dos anos 90, uma “When Two Worlds Collide” ou “The Edge of Darkness” seriam mais indicadas.

Por fim, antes de “Infinite Entanglement” (pesadíssima), faixa título de seu mais recente trabalho de estúdio, Bayley usou um tanto de demagogia: Disse que o disco era a primeira parte de uma trilogia temática, e que gostaria de voltar ao Crossroads (sim, ele frisou o nome do bar onde estava tocando) no ano que vem. Alguém tem a mínima dúvida de que em 2017 ele fará novo show em Curitiba? A tradição certamente não será quebrada.

REPERTÓRIO
Lord of the Flies
Futureal
Born as a Stranger
The Launch
A Thousand Years
The Brave
Virus
Stare at the Sun
Infinite Entanglement
Wrathchild
Human
Silicon Messiah
Ghost in the Machine
Leap of Faith
The Clansman
Man on the Edge
Fear of the Dark

Mosh Live

Postado em julho 1st, 2016 @ 20:20 | 349 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»