18 Aug 2017, 2:29 pm

Entrevista: Amorphis


Amorphis chega ao Brasil para divulgar Under the Red Cloud

O Amorphis desembarca no Brasil pela terceira vez esse final de semana para único show em São Paulo. A apresentação visa divulgar o 12º disco de estúdio dos caras – Magic & Mayhem: Tales from the Early Years não incluso – Under the Red Cloud. O guitarrista e membro fundador Esa Holopainen nos concedeu uma entrevista por email para falar das novidades da banda. Completam a formação Jan Rechberger (bateria) e Tomi Koivusaari (guitarra), ambos também na banda desde 1990, além do vocalista Tomi Joutsen e do baixista Niclas Etelävuori.

O show do grupo no Brasil acontecerá na capital paulista dia 27 de maio, a partir das 21 horas, no Hangar 110, localizado na Rua Rodolfo Miranda, 110. O show é uma produção da Overload, e os ingressos encontram-se disponíveis no Clube do Ingresso.

Entrevista por Clovis Roman
Fotos por Steve Dempsey (ao vivo) e divulgação

Para você, quais são as principais diferenças entre Circle e Under the Red Cloud? O novo disco me parece ter mais influências de música folk, certo?
Acho que a principal diferença é a produção. Este é o primeiro álbum que fizemos com Jens Bogren. Ele nos quis trazer mais elementos que ele adora no Amorphis. Eu não sei se foi o “folk” ou o peso em geral de que ele evidenciou, mas estamos muito felizes com o resultado.

A banda fez alguns shows em 2014 com Tales from the Thousand Lakes na íntegra. Como foi relembrar todas as músicas desse álbum após tanto tempo?
Foi fácil pois a gente já tocava a maioria daquelas músicas no nosso repertório regular. O desafio foi reproduzir de maneira autêntica a sonoridade do álbum. Nós afinamos as guitarras um pouco mais baixas e usamos um som de guitarra um tanto mais áspero em algumas das músicas.

Vocês pensam em fazer outros shows nesse formato? O Elegy completa 20 anos em 2016, já pensaram em tocá-lo na íntegra também?
Sim. Isso é algo que nos tem sido solicitado, e não é uma ideia impossível. No geral gostamos de fazer eventos especiais como sets acústicos ou de tocar álbuns completos. Na Finlândia nós tocamos o Eclipse [álbum de 2006], na íntegra, num castelo alguns anos atrás.

Vocês tocaram com o Avatarium em 2014, como vocês convidaram eles para tocar?
Eles foram a banda de abertura da turnê do Tales [From the Thousand Lakes]. Nós amamos a banda, por isso foi um grande prazer tê-los naquela turnê.

Quais são suas principais influências musicais? Há bandas mais novas que te chamem a atenção?
Eu costumo tocar os discos de vinil das minhas bandas favoritas antigas quando estou em casa: Rainbow, [Black] Sabbath, [Led] Zeppelin, Rush. Eu gosto de um monte de outras coisas, como Baroness, Mastodon, Opeth…

Ao vivo no Wacken 2015

Ao vivo no Wacken 2015

Os últimos discos da banda estão sendo muito bem recebidos pela crítica e fãs em geral. O quanto isto te influência e o quanto as opiniões alheias importam para você?
Claro que importa. Você termina [o álbum] e o envia para o selo, e depois disto você não tem mais controle sobre o que está acontecendo ou como as pessoas estão reagindo a ele. Felizmente críticos e fãs parecem amar o álbum e esse é o melhor feedback e motivação para nós.

Ano passado vocês gravaram um split com o Children of Bodom, inclusive gravando uma cover deles. Como surgiu essa idéia?
Os caras do Children of Bodom gravaram “Black Winter Day” como faixa bônus para o seu álbum. Jaska [W. Raatikainen, baterista do Children of Bodom] me chamou e falou sobre a idéia de fazer um “split” gravando músicas uns dos outros. Um pouco à maneira “old school”. Isso foi muito divertido. Decidimos fazer cover de “Everytime I Die” porque há nela muitos elementos presentes em nossa sonoridade também.

O Amorphis levou anos para vir tocar ao Brasil. Quais são as lembranças dos primeiros shows feitos no pais?
Grandes fãs, boa comida e um grande carinho conosco. Estamos ansiosos para tocar em São Paulo e no Roça ‘n’ Roll.

Qual banda você gostaria que um dia gravasse uma cover do Amorphis?
Há muitas grandes bandas por aí, mas eu gostaria de ouvir uma versão do Nightwish para algumas de nossas músicas.

Agradecimento especial para Costábile Salzano Jr. da The Ultimate Music.

Interview · News

Postado em maio 24th, 2016 @ 10:27 | 2.003 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»