fbpx
10 Dec 2022, 3:47 am

Mosh Classic: Accept – Restless & Wild


E um dos maiores clássicos da Banda Accept chega aos seus 40 anos mostrando que este trabalho além de ser repleto por músicas marcantes e energéticas com riffs de guitarras que inspiram bandas até hoje. Leia abaixo a resenha de…

Por Emerson Mello

O Accept não é só uma das bandas mais importantes do Metal alemão, mas sim do Metal Mundial. Todos os elementos que eles trouxeram em sua música influenciaram gerações de bandas e também os subgêneros do estilo como Thrash Metal, Speed e Power Metal. Mas com certeza o impacto que isto representou para as bandas alemãs foi muito grande.

A banda iniciou carreira ainda na década de 1970, começando em 1976 na cidade de Solingen (região administrativa de Dusseldorf). Curiosamente a cidade é conhecida como ‘a Cidade das Lâminas’, devido a diversas forjas estarem instaladas há muitos séculos na cidade fabricando espadas, facas e navalhas. A expressão foi dada por ferreiros na Idade Média que passaram a se referir a cidade como cidade das lâminas.

A banda lançou seu primeiro em 1979. Este álbum é um álbum tipicamente de estreia, no sentido de a banda ainda estar procurando sua sonoridade, inclusive com o baixista Peter Baltes cantando em duas músicas: ‘Sounds of War’ e na balada ‘Seawinds’, que tem uma sonoridade bem próxima do Scorpions. O segundo álbum I’m Rebel marca a chegada do baterista Stefan Kaufmann, mas foi no terceiro álbum Breaker que a banda passou a ter uma estrutura mais profissional e começou a moldar o som que se tornaria sua marca registrada: músicas rápidas com riffs cortantes, vocal rasgado e gritado e duo de guitarras.

Eis que surge o quarto álbum Restless and Wild pra consolidar de vez o estilo da banda. Lançado no dia 2 de outubro de 1982 ele conta com uma produção muito mais madura e profissional, com a banda afiadíssima tanto nas composições, arranjos e execução. Pela primeira vez o vocalista Udo canta no álbum inteiro, o que por si só já eu mais unidade ao trabalho e também mais agressividade nas músicas. A formação é a que eu considero a clássica, além de Udo nos vocais, temos Wolf Hoffmann e Herman Frank nas guitarras, Peter Baltes no baixo e Stefan Kaufmann na bateria.

O álbum inicia com uma vinheta, um trecho da música folclórica alemã ‘Ein Heller und ein Batzen’ sendo cantada por crianças, quando de repente é interrompida por um som de um disco de vinil sendo arranhado. Então começa Fast as a Shark com Wolf Hoffmann tocando um riff rápido e cortante e Stefan Kaufmann entrando com tudo nos dois bumbos tocando na velocidade da luz. O vocal de Udo vem grave pra entrar rasgando no refrão “Fast as a shark he’ll cut out of the dark/He’s a killer – he’ll rip out your heart”. O solo de guitarra em duo também é memorável, sendo um arranjo que influenciou zilhoes de bandas, e sem dúvidas influenciou muito o Helloween. Acredito ter sido a música mais rápida e pesada feita até então. Um verdadeiro marco, depois disso o mundo não foi mais o mesmo.

Como curiosidade em relação a banda usar o ‘Ein Heller und ein Batzen’ era fazer uma brincadeira fazendo um contraste com a música folclórica e o Metal gerando um resultado engraçado, mas alguns interpretaram isso como uma referência ao nazismo, o que a banda negou, pois a ideia era ser irônico mesmo.

Voltando ao álbum, na sequência temos a música título, mantendo o peso trazendo um riff que a cabeça balança junto e com um refrão marcante. Muito importante lembrar que o Accept também foi pioneiro nestes refrões fortes e em uníssono. A rifferama de Hoffmann não para e temos Ahead of the Pack. Depois de três músicas pé embaixo temos a mais cadenciada, mas não menos pesada Shake Your Heads, que como o título sugere tem um refrão que nos induz a batermos cabeça e ergue os punhos cantando junto.

Fechando o antigo lado 1 do vinil temos a Neon Nights, aonde Hoffmann nos mostra um pouco do seu lado erudito na guitarra e depois brinca com o wah-wah antes de puxar o riff principal da música. Referências eruditas ficam bem claros no tema e no grande solo de guitarra. A letra nos faz mergulhar em uma noitada alemã, possivelmente em Berlim. “Like a midnight train/Going nowhere/Fading dreams of the city”. Sem dúvidas um dos pontos altos do álbum, um clássico. Get Ready abre o lado 2 do nosso saudoso vinil e mostra o lado mais Rock’n’Roll da banda, com uma influência nítida de Judas Priest, com uma levada que até lembra o clássico Living After Midnight. Em Demon’s Night, que vem na sequência, também podemos perceber influência do Judas.

Flash Rockin’ Man tem um riff que lembra muito o de Two Minutes to Midnight do Iron Maiden, porém a do Accept veio primeiro. Mas estas duas ainda lembram o riff de Midnight Chaser, da banda britânica White Spirit, banda que o guitarrista Janick Gers tocou no início de carreira. Midnight Chaser foi lançada em 1980, vai saber quem copiou quem ou se foi apenas coincidência…

Fechando o álbum em grande estilo temos a icônica Princess of the Dawn: “The guardians of God play the pawns/Beg for mercy, hail the queen”. Ela deixa aquele gosto de quero mais sendo um dos pontos altos do álbum.

Restless and Wild é uma aula de Metal do quinteto alemão, sem dúvidas um dos álbuns mais importantes do Metal de todos os tempos, sendo referência para muitas bandas no mundo todo. Chega aos seus 40 anos muito bem, lembrando que a banda ainda está em atividade mandando muito e com uma possível vinda ao Brasil em 2023.

Ouça Restless and Wild em

Músicas:

Lado 1

01 – Fast as a Shark 3:49

02 – Restless and Wild 4:12

03 – Ahead of the Pack 3:24

04 – Shake Your Heads 4:17

05 – Neon Nights 6:01

Lado 2

06 – Get Ready 3:41

07 – Demon’s Night 4:27

08 – Flash Rockin’ Man 4:28

09 – Don’t Go Stealing My Soul Away 3:15

10 – Princess of the Dawn 6:15

Tempo Total 43:58

Line-up

Udo Dirkschneider – vocais

Wolf Hoffmann – guitarras

Herman Frank – guitarras

Peter Baltes – baixo

Stefan Kaufmann – bateria

News · Reviews · Underground

Postado em outubro 2nd, 2022 @ 09:09 | 179 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»