21 Nov 2018, 9:52 am

Uli Jon Roth: O Gênio Alemão Deu Aula De Técnica E Carisma Em SP


Uli Jon Roth impressiona em show na capital paulista

Texto: Giovani Marcello

Fotos: Marcos Troyan Streithorst

Nascido em dezembro de 1954 em Düsseldorf, Ulrich Hans Joachim Anton Josef Roth, mundialmente conhecido pela alcunha de Uli Jon Roth, aportou no Brasil pela terceira vez para uma série de três shows no mês de setembro: dia 27 no Rio de Janeiro, 28 em São Paulo, e 29 em Curitiba. No mesmo dia da apresentação de SP, o Tom Brasil recebeu o Nightwish em um show sold out, enquanto o fiel público do genial alemão compareceu em bom número ao Carioca Club em Pinheiros. E com direito a uma história divertida desse redator numa conversa com um senhor bonachão de Ribeirão Preto, Tico Jacob: fã de longa data do Scorpions, o próprio tem dois filhos com os nomes de Ulrich Jacob e Klaus Meine Jacob. E como o Klaus não veio ao show, as piadas correram soltas por esse fato curioso.
Uli é um dos principais compositores de clássicos absolutos do hard rock, presente nos tempos de Scorpions nos discos “Fly To The Rainbow” (1974), “In Trance” (1975), “Virgin Killer” (1976), “Taken By Force” (1977) e no mais que essencial ao vivo “Tokyo Tapes” (1978). O alemão possui ainda três discos com o Eletric Sun e uma produtiva carreira solo, com destaque para o extraordinário “Transcendental Sky Guitar Vol. I & II”, de 2000.

Às 22h15, acompanhado pelos competentes Niklas Turmann (vocais e guitarra), Nico Deppisch (baixo), Richard Kirk (bateria) e Corvin Bahn (teclados), as cortinas se abrem para Uli ao som de “All Night Long”, música de abertura do “Tokyo Tapes”, e o público já fica em transe com o feeling único do alemão. “Longing For Fire” e “Sun In My Hand”, dobradinha do “In Trance”, mantém a adrenalina em alta até a primeira explosão do público com a clássica “Sails Of Charon”, faixa do “Taken By Force”, numa belíssima versão com alguns improvisos maravilhosamente encaixados! Extremamente sorridente e comunicativo durante todo o tempo, Uli demonstra felicidade por estar tocando em uma de suas cidades favoritas. “Don’t Tell The Wind”, do Zeno, vem em seguida. Composta pelo seu falecido irmão Zeno Roth, a canção é tocada em uma interpretação emocionante com direito a choro de Richard Kirk na bateria durante a sua execução. A única do Eletric Sun vem na sequência e justo minha favorita do “Fire Wind”, de 1981, “Enola Gay (Hiroshima Today?). Uma grata surpresa do set e não foi a única. “We’ll Burn The Sky”, de “Taken By Force” e “In Trance”, faixa título do disco homônimo do Scorpions, deixam os fãs hipnotizados com o Maestro e seus asseclas.

 

Na sequência, dois banquinhos são postos e Uli surge com uma guitarra de oito cordas e “Rainbow Dream Prelude”, parte integrante do “Scorpions Revisited”, é executada seguida de um magnifico solo acústico com a participação de Niklas Turmann, que antecede um dos pontos altos do espetáculo: “Fly To The Rainbow”, épico que dá nome ao álbum de estreia de Uli no Scorpions. Numa interpretação impecável ao lado de sua banda, foi um dos pontos esplêndidos de todo o show.  As duas músicas que abrem o “Virgin Killer”, a energética “Pictured Life” e “Catch Your Train”, com seu refrão grudento, fazem o público cantar junto com Niklas refrão por refrão. “Polar Nights”, mais uma do “Virgin Killer”, que não foi executada na noite anterior no RJ, com sua veia hendrixiana vem em seguida levando o público ao delírio! Anunciada como a última do set, “Dark Lady” encerra o set normal de modo magnânimo! Depois de um curto intervalo, a banda volta para o bis com mais uma surpresa, “Yellow Raven”, música que fecha o “Virgin killer”, levando até o lendário Walcir Chalas, proprietário da mítica loja Woodstock, às lágrimas. Com o show chegando ao seu final, vem a homenagem ao ídolo maior de Roth: James Marshall Hendrix. Tudo bem que “All Along The Watchtower” é de Bob Dylan, mas a versão executada foi a do gênio de Seattle. “Little Wing” fecha a apresentação antológica de 2 horas e 15 minutos. Uli se despede prometendo voltar em 2019. Agora não sabemos se será com sua banda ou com o Scorpions, já que o show do Rock in Rio está sendo anunciado com “special guests”. Todos nós torcemos para que sejam as duas opções. Sem dúvida alguma, um dos melhores shows do ano, isso se não for o melhor. Mas uma coisa todos os presentes concordam: tivemos uma noite mágica!

Agradecemos à Vega Concerts pelo credenciamento.

Setlist 

01) All Night Long (Scorpions cover)
02) Longing For Fire (Scorpions cover)
03) Sun In My Hand (Scorpions cover)
04) Sails Of Charon (Scorpions cover)
05) Don´t Tell The Wind (Zeno cover)
06) Enola Gay (Hiroshima Today?) (Electric Sun cover)
07) We´ll Burn The Sky (Scorpions cover)
08) In Trance (Scorpions cover)
09) Rainbow Dream Prelude
10) Acoustic Guitar Solo – Uli Jon Roth + Niklas Turmann
11) Fly To The Rainbow (Scorpions cover)
12) Pictured Life (Scorpions cover)
13) Catch Your Train (Scorpions cover)
14) Polar Nights (Scorpions cover)
15) Dark Lady (Scorpions cover)
Encore
16) Yellow Raven (Scorpions cover)
17) All Along The Watchtower (Bob Dylan cover)
18) Little Wing (Jimi Hendrix cover)

 

Mosh Live · News

Postado em outubro 31st, 2018 @ 22:21 | 139 views
–> –>


Notícias mais lidas
«
»